Dúvidas

O Consócio funciona como um grupo de pessoas físicas e jurídicas, com prazo pré-estabelecido, onde vários integrantes participam com um valor mensal de suas prestações e concorrem a contemplações de suas cartas de crédito.

Existe uma idade limite para adquirir consórcio?
Não! A idade limite é apenas para efeitos de contratação de seguro prestamista, que é até 65 anos.

O que é uma Carta de Crédito?
Trata-se de uma ordem de faturamento emitida pela administradora, ou seja, o documento que o consorciado irá receber quando da sua contemplação, juntamente com o valor a que tem direito para a aquisição do bem.

Qual é a diferença do consórcio para o financiamento?
No consórcio não há cobrança de juros pois trata-se de autofinanciamento em que os recursos são gerados dentro do próprio Grupo; com a Carta de Crédito você tem a liberdade de escolher o Bem.

Quem poderá adquirir consórcio?
Pessoa Física ou Pessoa Jurídica.

O prazo máximo independe do consorciado ser pessoa Física ou Jurídica?
Sim!

Qual o máximo de cotas que um consorciado pode adquirir?
Imobiliário – Não há um número máximo de cotas, desde que o consorciado não exceda o limite do valor de crédito (R$ 2.000.000,00, podendo aumentar este crédito mediante aprovação da Administradora), e não compre mais do que 10% da
quantidade de cotas de um mesmo Grupo.
Veículo – O limite no Consórcio de Veículos Automotores é de R$ 300.000,00 para Pessoa Física e Pessoa Jurídica, podendo aumentar este crédito mediante aprovação da Administradora.

Cliente que mora no exterior poderá adquirir cotas de consórcio?
Sim! Mas a Carta de Crédito só tem abrangência nacional, ou seja, só poderá ser utilizada dentro do país.

A adesão poderá ser feita por procuração?
Sim!

Qual a forma de pagamento da primeira parcela?
Boleto bancário ou débito em conta da Caixa Econômica Federal.

Há taxa de adesão?
Não! Mas existe a antecipação de 1% da taxa de administração, sobre o valor da carta, dividido nas quatro primeiras parcelas.

Pessoa Jurídica tem desconto?
Não! Pessoa Jurídica não paga o Seguro Prestamista, por isso, a parcela fica um pouco mais baixa.

Quais as modalidades do consórcio Veículos Automotores para utilização da carta?
– Aquisição de Veículos novos (0 km);
– Aquisição de Veículos usados (com até 05 anos de fabricação, não incluindo o ano em curso);
– Quitação de financiamento próprio.

É permitido adquirir o consórcio em conjunto com outra pessoa?
Não! O consórcio é feito em nome de uma única pessoa, cadastrado por CPF.

Quais são os prazos e valores previstos de cartas de crédito do consórcio?
Os prazos variam de acordo com o produto e a Carta de Crédito, conforme abaixo:

Imobiliário
– Cartas de R$ 30.000,00 – R$ 60.000,00;
– Cartas de R$ 70.000,00 – R$140.000,00 – prazo de 120 meses;
– Cartas de R$ 150.000,00 – R$ 300.000,00 – prazo de 150 meses;
– Cartas de R$ 400.000,00 – R$ 700.000,00 – prazo de 200 meses.

Veículos Automotores
– Cartas com valores de R$ 25.000,00 a 150.000,00, prazo de 70 meses.

Qual é o percentual da taxa de administração?
Depende do prazo, conforme abaixo:

Veículos Automotores
– Prazo de 70 meses – taxa de 15%.

Imobiliário
– Prazo de 120 meses – taxa de 18%
– Prazo de 150 meses – taxa de 19%
– Prazo de 200 meses – taxa de 16%

Quando é feita a atualização da Carta de Crédito, do saldo devedor e das prestações no caso de consórcio imobiliário?
São atualizados pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor – INPC a cada 12 Assembleias, contadas a partir da primeira.

Quando é feita a atualização da Carta de Crédito, do saldo devedor e das prestações no caso de consórcio de Veículos?
O valor do crédito contratado, consequentemente o saldo devedor e as prestações serão reajustados pelo INPC a cada 12 Assembleias, contadas a partir da primeira AGO.
Existem grupos cujo reajuste ocorre pela tabela FIPE do mês anterior, quando há aumento.
Em caso de descontinuidade do bem, o mesmo deve ser trocado por outro, sendo assim a administradora fará uma assembleia para que os clientes possam votar nas opções apresentadas.

Após a contemplação a Carta de Crédito, enquanto não utilizada, sofre alguma atualização?
Sim, o valor da Carta de Crédito, enquanto não utilizado, é corrigido por aplicação financeira e o saldo devedor e as prestações continuam sendo atualizados pelo INPC.

Após a contemplação e utilização da Carta, o saldo devedor e as prestações sofrem alguma atualização?
Sim! Seguindo os critérios dos itens acima.

É permitida a troca de bem, ou seja, alterar o valor da Carta de Crédito contratada?
Sim! A alteração só poderá ocorrer após a realização da primeira Assembleia Geral Ordinária – AGO do grupo, e só é permitida para cotas adimplentes e não contempladas, limitadas a duas trocas e somente por valores disponíveis no mesmo grupo, tanto para um maior ou menor valor.

Cliente com restrição tem algum impedimento para aderir ao consórcio?
Para aderir não, mas, após a contemplação e para utilização de Carta de Crédito será necessário que o consorciado não tenha restrições em seu nome.

O consorciado após aderir a cota poderá desistir?
Sim! A solicitação de desistência poderá ser feita a qualquer momento, observando os seguintes prazos:

– Em até 7 (sete) dias corridos, contados da data da assinatura do contrato de adesão, desde que o consorciado não tenha participado da 1ª AGO. A devolução do valor pago será integral, devidamente corrigido por aplicação financeira.
– Após 7 (sete) dias corridos, a cota participa das assembleias mensais no grupo desistente/excluídos, sendo contemplada 1 pessoa por mês. Caso não for contemplada em nenhuma assembleia, o mesmo só receberá os valores que tem direito 60 dias após a última assembleia do grupo. O valor que o consorciado tem direito quando desiste é fundo comum (descontando tudo que tiver pago de taxa de administração, taxa de adesão, taxa de seguros e taxa de fundo reserva), sobre esse ainda incide uma multa de 10% pela quebra contratual.

É possível comprar um imóvel com a Carta de Crédito e colocar a documentação em nome de duas pessoas?
Não! Somente o nome do consorciado deverá constar na matrícula, com exceção dos consorciados casados ou que vivam em união estável.

Existe possibilidade de transferência de Carta?
Sim! Há uma taxa de 1%, cobrada ao cliente sobre a carta de crédito.

Utilização do Crédito

A Carta de Crédito pode ser utilizada para a compra de mais de 1 imóvel ou veículo?
Não! Somente para um bem. Mas várias cartas podem ser usadas para a compra de um mesmo bem.

A Carta de Crédito poderá ser usada para arrematar imóveis em leilão?
Não!

Quais as condições para utilização do crédito para a modalidade construção?
Possuir um terreno próprio urbano. O terreno deverá ser quitado e livre de ônus.

Ao adquirir um imóvel, como poderá ser composto o valor a ser pago?
A compra do imóvel poderá ser composta pela Carta de Crédito, recursos próprios e FGTS, se enquadrando nas exigências da Caixa Econômica Federal.

Para análise de crédito, o consorciado poderá compor a renda com mais alguém?
Somente com o cônjuge ou união estável comprovada.

É permitida a unificação de cotas?
Sim! Somente no caso de cotas contempladas.

O valor do imóvel a ser adquirido terá de ser o mesmo valor da Carta de Crédito?
Se o valor do imóvel for menor que a Carta, terá uma sobra de crédito que será abatida no saldo devedor, amortizando as parcelas ou o prazo.
Se o valor do imóvel for maior que a Carta, este deverá ser complementado com recursos próprios e/ou FGTS. Lembrando que para a utilização do FGTS devem ser observadas as exigências do fundo, e o processo não é de responsabilidade da Administradora.

O que é feito com a sobra de crédito?
Será abatido no saldo devedor, amortizando as parcelas ou o prazo.
Em caso de consórcio imobiliário, a sobra de crédito poderá ser utilizada para o pagamento de despesas cartorárias, não ultrapassando 10% do valor total da Carta de Crédito, no caso de automóveis, o mesmo não é válido.

É possível o consorciado, após a contemplação, converter a Carta em espécie?
Caso o consorciado não tenha utilizado os recursos após 180 dias da contemplação, o crédito pode ser convertido em espécie, desde que quitado o saldo devedor, mediante solicitação feita por meio da Central de Relacionamento.
Neste caso, podem ser utilizados recursos da Carta de Crédito ou recursos próprios, se necessário, para a quitação do saldo devedor junto à Administradora.
O valor remanescente da Carta de Crédito é devolvido ao consorciado por meio de crédito em conta.

Qual o fluxo para aquisição do imóvel?
1 – O consorciado entrega a documentação solicitada;
2 – A Administradora realiza a análise do consorciado e do bem;
3 – Se aprovada, será agendada a vistoria no imóvel, pela área de engenharia da Administradora;
4 – Se aprovada, a Administradora inicia a confecção dos documentos necessários;
5 – Após a assinatura e registros necessários, a Administradora programa o pagamento ao vendedor.

Qual o fluxo para aquisição do veículo?
1 – O consorciado entrega a documentação solicitada;
2 – A Administradora realiza a análise do consorciado e do bem;
3 – Se aprovada, será agendada a vistoria no veículo (apenas para veículos usados) ou solicitada a nota fiscal (veículos novos);
4 – Se aprovada, a Administradora inicia a confecção dos documentos necessários;
5 – Após assinatura e registro (se for o caso), a Administradora programa o pagamento ao vendedor.

Essa vistoria tem custo e qual o valor?
Não existe um valor fixo. Depende dos honorários do engenheiro ou do vistoriador e do custo de deslocamento.

De quem é a responsabilidade pelo custo dessa vistoria?
A primeira vistoria é custeada pela Administradora. Caso o cliente não concorde com a avaliação do prestador contratado, e o mesmo quiser uma segunda avaliação, o custo será do consorciado.

Contemplação

Quais as formas de Contemplação?
Sorteio. Lance fixo e lance livre, necessariamente nessa ordem.

O que é e como funcionam Lances Livres?
São definidos por percentual em relação ao valor do crédito atualizado, sendo considerado vencedor o consorciado que ofertar o maior percentual.
Esse tipo de lance poderá ser pago com recursos próprios e/ou abatido da Carta de Crédito – lance embutido.
Nesse último caso, o valor é limitado a 50% da carta.

O que é e como funcionam os Lances Fixos?
Corresponde a 20% do saldo devedor da cota do consorciado. No caso de existirem, várias ofertas de lance fixo para a mesma assembléia, será considerada vencedora a cota cujo número estiver mais próximo da cota sorteada.

Qual é o maior percentual para oferta de Lance Livre?
Se não utilizar recursos da própria carta, cujo percentual máximo é 50%, não existe limite.

Quais as formas de amortização, caso o Consorciado seja Contemplado?
O valor pago no lance pode amortizar o saldo devedor, reduzindo as prestações ou o prazo.

Em uma mesma Assembleia poderá ser ofertado Lance Fixo e Livre?
Sim! Mas, para efeito de contemplação só será acatada uma modalidade.
Após a contemplação, a Carta de Crédito, enquanto não utilizada, fica em uma conta vinculada e passa atuar como Aplicação Financeira.

Qual a média de Rendimentos nesta aplicação?
Após a contemplação, o valor da Carta de Crédito é investido em um fundo. O histórico demonstra uma rentabilidade de 90% a 99% do Certificado de Depósito Interbancário (CDI).
Mas, como qualquer investimento, não há como garantir uma rentabilidade mínima.

Utilização para Construção

Como é liberado o crédito em caso de construção?
O crédito será liberado em etapas de acordo com o Cronograma Físico-Financeiro da obra. São no mínimo 4 parcelas e no máximo 18, sendo que a liberação do crédito será condicionada à conclusão da etapa. A primeira liberação não poderá ser maior que 20% e a última menos que 10%.

Como é o processo de pagamento para as  etapas de construção?
As vistorias são pré-agendadas, e no término de conclusão de cada etapa, a área de engenharia da Administradora fará uma vistoria no imóvel para certificar se a etapa foi concluída. A vistoria será custeada pelo consorciado, e o valor será descontado do crédito a ser liberado.
Com o “de acordo” do engenheiro, a parcela  referente àquela etapa será liberada por meio de reembolso. Lembrando que a parcela relativa à última etapa será liberada após a averbação da construção  e da liberação do habite-se.

De quem é a responsabilidade pelo custo das vistorias?
Do consorciado.

A carta poderá ser utilizada para construção em área rural?
Não!

Em caso de construção, poderá ser dado outro imóvel em garantia?
Não! Neste caso o imóvel a ser dado em garantia deverá ser o próprio terreno onde será construído, o qual deverá estar em nome do  consorciado e livre de ônus.

Utilização do FGTS

O FGTS poderá ser utilizado para compra / construção de imóvel comercial ou rural?
Não! Somente residencial e urbano.

Quais as possibilidades de uso do FGTS no Consórcio?
– Complementar a carta de crédito para a compra do imóvel;
– Amortização extraordinária ou liquidação de saldo devedor de consórcio de imóvel;
– Pagamento de parte das prestações de consórcio de imóvel.

O consorciado poderá utilizar os recursos do FGTS para amortizar as prestações antes da aquisição do bem?
Não! O imóvel já deverá ter sido adquirido.

Poderá ser dado lance com o FGTS?
O lance com FGTS se trata de um lance embutido, cujo valor será deduzido da carta de crédito na liberação.

O FGTS poderá ser utilizado para quitação do Consórcio?
Sim! Desde que atenda as exigências e regras do FGTS.

O FGTS poderá ser utilizado para compra de terreno sem construção?
Não, somente para aquisição de terreno com construção de imóvel residencial.

Quais são os requisitos obrigatórios, para utilização de FGTS na aquisição de imóvel?
Conforme regras e exigências do FGTS, como por exemplo:
– Não possuir imóvel residencial financiado pelo Sistema Financeiro de Habitação;
– Não ser proprietário de imóvel residencial concluído ou em construção no município onde exerça sua ocupação principal e nos municípios limítrofes.

O cônjuge separado/divorciado, proprietário de imóvel residencial, concluído ou em construção, poderá utilizar o FGTS para compor a compra de outro imóvel?
Sim! Desde que tenha perdido o direito de nele residir, e atenda às demais condições necessárias para utilização do FGTS.

Proprietários de lotes ou terrenos podem utilizar o FGTS para compra de imóvel residencial?
Sim! Desde que comprovada a inexistência de edificação.

Os recursos do FGTS poderão ser utilizados para pagamento de prestações?
Para o segmento imobiliário, Sim!
Na quitação ou amortização do saldo devedor: O recurso do fundo pode ser utilizado para amortizar ou quitar o saldo devedor do consórcio e amortizar até 12 prestações de uma única vez, sendo renovado por igual período limitado ao interesse ou saldo do consorciado.
No caso de amortização de prestações, o recurso da conta vinculada do FGTS está limitado a quitação de 80% da parcela. A diferença será cobrada do consorciado.

Em que momento o consorciado poderá optar pelo pagamento de parcelas com recursos do FGTS?
Após a contemplação e entrega do bem, a qualquer momento.

Os recursos do FGTS poderão ser utilizados para amortização extraordinária / liquidação do saldo devedor?
Para o segmento imobiliário, Sim!
– Haverá intervalo mínimo de 2 anos, entre cada movimentação ,para a amortização extraordinária do saldo devedor e o consorciado pode estar com até 3 parcelas em atraso;
– Para consorciados inadimplentes, é permitida apenas a liquidação total do saldo devedor.